Vertalingen uit het Portugees

Portugees 2

Se em algum tempo se achar este libro de pessoas alegres, nam o leam: que por aventura parecendo-lhe que seus cassos seram mudaveis   como os aqui contados, o seu prazer lhes sera menos prazer. Isto, onde eu estivese, me doeria; porque asaz [abastava] nacer eu pera minhas magoas senam ainda para as doutrem. Os tristes o podem leer, mas ahi nam os ouve mais, depois que nas mulheres ouve piedade. Nas mulheres, sim, porque sempre nos homens ouve desamor. Mas para ellas nam o faço eu; que pois que o seu mal he tamanho, que se nam pode confortar com outro nhum, he para as mais   entristecer. Sem-razam seria querer eu que o lessem ellas; mas antes lhes peço muito que fujam delle e de todalas cousas de tristeza; que ainda com isto poucos seram os dias que han-de poder ser ledas, porque assi está ordenado pela desventura com que ellas nascem. Para ha soo pesoa podia elle seer; mas desta nam soube eu mais parte, depois que suas desditas e minhas o levaram para longes terras e estranhas, onde bem sei eu que, vivo ou morto, o posuie a terra sem prazer nhum. Meu amigo verdadeiro, quem me vos levou tam longe? Que vos comigo e eu com vosco, soos, suhiamos passar nossos nojos grandes, e tam pequenos   para os de despois! A vos contava eu tudo. Como vos vos fostes, tudo se tornou tristeza; nem parece ainda senam que estava espreitando jaa   que vos foseis. E por que tudo ainda mais me magoasse, tamsomente nam   me foi deixado em vosa partida o conforto de saber para que parte de terra hies, que descançaram meus olhos em levarem para laa a vista. Tudo me foi tirado no meu mal, nem remedio nem conforto ouve ahi. Para morrer, azinha me pudera isto aprouveitar; mas   para isto nam me aproveitou. Inda com vosco uzou desaventura algum modo de piedade en vos alongar desta terra: pois que pera nam   sentirdes magoas nam avia remedio, para as nam ouvirdes volo deu. Coitada de mim, que estou falando e nam vejo ora eu que leva o vento as minhas palabras, en que me nam pode ouvir a quem falo. Bem sei que nam era eu para isto. Aqui me quero ora poor, porque escrever alga   cousa pede alto repouso, e a mim as minhas magoas oras me levam para hum cabo oras para outro e trazem-me assi, que me he forçado tomar as palavras que me ellas dam, porque nam sam tam costrangida servir ao engenho como ç minha dor. Destas culpas me ach ram muitas neste   livrinho, mas da minha ventura foram ellas. Ainda que, quem me manda a mim oulhar por culpas nem desculpas, que o livro ha-de ser do que vai escrito nele? Das tristezas nam se pode contar nada ordenadamente, porque desordenadamente acontecem ellas, e tambem por outra parte nam me daa nada nam o lea ninguem, que eu nam o faço senam para hum soo, ou para nhum, pois delle, como disse, nam sei parte, tanto ha. Mas se ainda estaa para me ser em algum tempo otorgado que este pequeno penhor de meus longos sospiros vaa ante os seus olhos, muitas outras cousas desejo, mas esta me seria asas.

Naar Hoofdstuk 2

 

(c) Ruud Ploegmakers 2017