Vertalingen uit het Portugees

Portugees 25

Por aquella noite aceitou-a elle, ainda que nam desejava entam companhia; mas pollas horas o fez, e tambem porque logo cuidou que como os pastores fossem no seu fato, nam lhe aviam mais de tolher o tempo ao cuidado, que para elles nam se fizera a noite senam para dormir. Forπo assi a hum fato de ha grande manada de vacas que todas estavam alevantadas com o alvoro_o   dos cains e medo dos lobos, metendo-se os pastores, e Bimarder tras elles, por antre ellas, que lhe hiam fazendo lugar escornando has as outras. E assi saindo, estava ha fugueira grande apar de ha choupana de sebes cortiçada por cima. E junto doutra choupana ao fogo jazia deitado sobre rama verde espalhada hum pastor jaa todo branco que maioral era do fato; e tinha a sua cabeça sobre hum tronco de madeira encostada, e huns rafeiros cachoros piquenos lançados parte por cima do velho pastor, outros com has cabeças grandes estendidas sobre elle. E em os pastores chegando, ergueo elle a cabeça hum pouco, e como homem que era avizado em semelhantes casos, descansademente começou a preguntar pollo que passarom. Contando-lhe elles que nam era nha res morta, lhe contarom tambem do cavaleiro que traziam. Ergueo-sse elle entam assentado, e [fazendo-lhe] lugar na sua rama, lhe rogou que se   fosse assentar. E assentado Bimarder e assentados todos derredor   daquella fugueira, pidio o velho maioral a Bimarder que lhe contasse   como aquelle desastre lhe acontecera.   Contou-lhe elle brevemente, pello satisfazer, como, andando o seu   cavalo pascendo, vierom aquelles lobos e matarom-no, primeiro que lhe   elle podese valer. Ao que come_ou com ha fala retumbada a falar o   velho pastor, como que o queria consolar naquella mofina, dizendo: Os desastres que acontecem com as alimarias feras neste valle, he cousa espantossa, e para quem as souber, mais leves de sofrer, se a companhia nisto he consolação. Que a mea noite do inverno escura, sendo eu mais mancebo que agora, diante os meus olhos me tomaram a vaca bragada, mai destoutras bragadas que tenho eu ainda agora, e ma   matarom. Pois tinha entam apar de mim o rafeiro malhado, e a rafeira   branca sua mai, armados os pesco_os ambos, que nunca me achei com elles em lugar tam hermo nem noite tam escura, que nam estevesse seguro como na metade do dia. Mas então pouco aproveitarom elles a mim, que bradava a coitada da vaca que bramia tam doridamente, que em breve espaço [ajuntou] quanto gado em aquella sazam tinha, que estava a la fe bom pedaço dalli. Jaa aqui onde agora estou, me vierom matar no craro dia quantos bezeros tinha, que ainda nam eram para andar com as mains_. Pois porque estas logo aqui, pastor honrado? lhe disse Bimarder.

(c) Ruud Ploegmakers 2017